08 novembro, 2009

Ponta Porã - Mato Grosso do SUL

Ponta Porã 
Linda cidade que surgiu da concessão dada pelo Governo Imperial a Thomaz Laranjeiras, em 1823, para a exploração da erva-mate nativa, uma das riquezas da região. Situada na fronteira seca do Brasil com o Paraguai, foi uma das que mais sofreu com a Guerra do Paraguai que lá deixou marcas bem profundas.



Bem próximo está Cerro-Corá, local onde morreu o ditador Solano Lopes e que figura como um dos mais importantes monumentos da cidade.
A erva-mate é uma das riquezas da região, mas a atração mais evidente é a extrema proximidade com a cidade paraguaia Pedro Juan Caballero,capital do Departamento (estado) de Amambay cuja divisa é apenas o canteiro central da Av. Internacional. Com apenas um passo, cruza-se a fronteira onde se pode encontrar produtos importados de todo o mundo.























Muitos afirmam que Ponta Porã já foi  territorio do Paraguai., fronteiriço, do estado deMato Grosso do Sul. Constitui uma conurbação internacional com Pedro Juan Caballero capital do departamento (estado) de Amambay, no Paraguai.

Bandeira
Ponta Porã está distante 350 quilômetros da cidade de Campo Grande, capital do Estado. Ligada por meio de Rodovia Federal, que também dá acesso aos Estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso. A população do município é de aproximadamente 80 mil habitantes. A cidade que foi capital   do extinto Território Federal do mesmo nome (1943-946 capital do extinto Território Federal do mesmo nome (1943-1946) está situada ao sudoeste do Estado e possui clima temperado com temperatura de 30°. A cidade possui uma boa rede hoteleira, tanto do lado brasileiro como do paraguaio. A economia do município está voltada para a agricultura e pecuária. A lavoura é uma das pujantes do território nacional produzindo, principalmente, soja, trigo e  milho.


Ponta Porã é a capital brasileira do tereré e capital regional da erva-mate, tanto que o símbolo da cidade é uma cuia de chimarrão e outra de tereré.

História de Emancipação Política



O município de Ponta Porã, surgiu dentre os campos de Erva – Mate. A história nos conta que em 1.777 uma expedição militar (grupo de homens) chegou a esta região, tendo como objetivo, explorar o solo.

Em, 1862, o tenente militar Antonio João Ribeiro chegou com seus homens e se fixaram na cabeceira do rio Dourados, onde hoje é o município de Antônio João e fundaram ali a COLÔNIA MILITAR DOS DOURADOS.  Em 1880 chega em Ponta Porã o senhor Nazareth, é um militar que vem com a missão de comandante e arma seu acampamento junto a lagoa do Paraguai, onde hoje é a cidade de Pedro Juan Caballero.  Em 1864 a Colônia Militar dos Dourados foi destruída pelos paraguaios (Guerra da Tríplice Aliança), onde veio a falecer o tenente Antônio João Ribeiro.

Em 1880 chega em Ponta Porã o senhor Nazareth, é um militar que vem com a missão de comandante e arma seu acampamento junto a Lagoa do Paraguai, onde hoje á a cidade de Pedro Juan Caballero. 1882 Tomás Laranjeras já explora e industrializa a erva-mate em ponta Porã e exporta para Argentina. 1892 Ponta Porã toma seus primeiros impulsos de progresso econômico, que chegam até Ponta Porã muitos migrantes gaúchos, que vieram com a finalidade de cultivar a terra e criar gado.

Em 1897 é criado o primeiro destacamento Policial em Ponta Porã e nomeado como Comandante o Senhor Nazareth. Em 1900 o município de Ponta Porã torna-se Distrito de Bela Vista. Em 1901 é fundada a primeira escola mista de Ponta Porã, tendo como professor o Senhor Júlio Alfredo Mangini.

Em 1912, no dia 18 de julho, foi criado o Município de Ponta Porã, isto quer dizer que Ponta Porá deixou de ser distrito de Bela Vista e passou a ser Município. Em 19l3, foi instalado o Município de Ponta Porã e toma posse seu primeiro Prefeito, o senhor Ponciano de Matos Pereira.

Em 1915 o Governador do Estado de Mato Grosso, senhor Caetano de Albuquerque eleva o município de Ponta Porá para a categoria de comarca de Ponta Porã e no ano seguinte, 1916 toma posse o primeiro Juiz de Direito da Comarca de Ponta Porá o senhor Possidônio de Souza Guimarães e o Primeiro Promotor é o dr. Henrique Carlos Guatemozim.

Em 1919 é criado em Ponta Porã o 11º RC (Regimento de Cavalaria) e instalado no ano seguinte, sendo seu primeiro Comandante o Capitão Hipólito Paes Campos. Em 1943, o Presidente Getúlio Vargas cria o território Federal de Ponta Porá, tendo como capital a cidade de Ponta Porã.

Em 1946 é extinto o Território Federal de Ponta Porá.Isto quer dizer que Ponta Porã deixa de ser capital do Território e volta a ser apenas o Município de Ponta Porá..

O Trabalho na Cidade (Zona Urbana)

Na cidade o trabalho é sempre relacionado com o comércio, a indústria, a prestação de serviços e os serviços públicos.
O Comércio de Ponta Porá é dos mais variados: Temos supermercados, lojasde tecidos, de móveis de eletrodomésticos, carros, de calçados, de artigos para a pesca, de produtos veterinários, de máquinas e ferramentas agrícolas, etc. Temos ainda: farmácias, padarias, sorveterias, livrarias, discotecas, etc.
Quanto wa indústrias, podemos citar: indústria de beneficiamento de madeira (serrarias), de óleo, de móveis, de tijolos, de erva-mate, de carvão, etc.
Quando uma loja trabalha consertando alguma coisa, dizemos que é uma loja de prestação de serviços. Podemos destacar em Ponta Porá: Consertos de sapatos, de carros, de bicicletas, de eletrodomésticos (rádio,TV,máquinas, etc.)
Serviços públicos, são todos ou trabalhos que são pagos por algum órgão público, como a Prefeitura, o Estado ou a União (Federal).

São funcionários públicos todas as pessoas que trabalham nas escolas municipais ou estaduais, nos postos de Saúde, no Fórum, na Câmara de Vereadores, na Receita Federal, nas agências de Educação e de Saúde, etc.  Para pagar os funcionários públicos Municipais, estaduais ou federais, é usado o dinheiro dos impostos. Os impostos são pagos pelo povo.Cada vez que compramos qualquer coisa estamos pagando impostos. Também pagamos impostos pela casa em que moramos, pelo asfalto que pisamos, pela iluminação pública, pela água que consumimos, etc.

São os impostos que dão o desenvolvimento às cidades, aos Estados e por fim ao Brasil. Pagar impostos é obrigação de todo cidadão brasileiro, porém é preciso cobrar das autoridades públicas o que está sendo feito com o dinheiro dos impostos. É assim que o povo pode participar do Governo.
Origem do nome de Ponta Porã

Antes de chamar Ponta Porã, nossa cidade e toda essa região de Pedro Juan Cabalhero, era chamada de Punta Porã. Antes da guerra do Paraguai, Ponta Porã era apenas uma região deserta, habitada somente por algumas tribos de índios, como os Nhandevas e os Caiuás, descendentes do povo Guarani, que viviam em harmonia com a natureza, caçavam, coletavam frutos e pescavam, além do cultivo de pequenas roças.
Ponta Porã está situada na serra de Amambaí, que é uma continuidade da Serra de Maracajú.

A Serra e alguns capões de mata que aqui existiam, davam aspecto de beleza ao lugar, que passou a ser denominado de PONTA PORÃ, que quer dizer Ponta Bonita e mais tarde com a chegada dos colonizadores passou a ser denominada de Ponta Porã.

Assim a origem do nome Ponta Porã, está ligada às três culturas: guarani, espanhola e portuguesa.

Os indios Caiuás

Os índios Caiuás habitavam toda a parte sul de Mato groso do Sul, isto é, toda região de Ponta Porã, Dourados, Amambaí e vizinhanças. Eles eram muitos e viviam em paz com a natureza. Caçavam, pescavam e colhiam frutos e raízes, cultivavam o milho e a mandioca em pequenas roças, apenas para o consumo da tribo. Hoje o número desses índios é muito pequeno. Eles vivem da terra e precisam dela para sobreviver. Eles vivem em aldeias, suas casas são de taquara e cobertas com folhas de coqueiro. Estas aldeias hoje estão dentro das reservas. As reservas são áreas de terra reservadas para os índios pelo Governo Federal.

Se os índios viviam nestas terras antes do povo branco chegar, por direito esta terra deveria ser deles.Acontece que as pessoas foram chegando e tomando suas terras de forma que eles foram ficando quase sem nada. Para garantir um pedaço de terra para eles foi preciso muitas luta e hoje eles possuem as reservas onde eles se tornam proprietários e ninguém pode invadir. Hoje nas reservas localizadas nos municípios de Dourados, Amambaí, Coronel Sapucaia e Caarapó, os Índios vivem de pequenas caças, como: lebre, pacas, gato do mato, etc. Cultivam peque3nas lavouras de milho, mandioca, mamão e vendem alguns produtos agrícolas que sobram do seu consumo. Eles fabricam arcos, chocalhos e outros produtos que vendem nas cidades vizinhas e nas margens das rodovias. Eles vivem praticamente entrelaçados com a civilização branca. Vestem roupas e compram utensílios nos comércio da cidade.

Comércio, Transporte e Comunicação

Em nosso estado o comércio é muito intenso e dos mais variados. A troca de produtos ocorre de município para município, de estado para os estados vizinhos, de Mato Grosso do Sul, para os países vizinhos: Paraguai e Bolívia.

Os meios de transportes favorecem o comércio, pois contamos com os transportes: Rodoviários, ferroviários, fluvial e aérea, integrando o estado de Mato Grosso do Sul com os demais Estados Brasileiros e com os países vizinhos, Bolívia e Paraguai.

As comunicações em mato Grosso do Sul, são feitas através dos serviços dos Correios e Telégrafos (ECT), da Embratel, através da TELEMS, com os serviços de DDD e DDI.

O estado conta hoje com Oito canais de televisão. Em muitos Municípios.

Origem do nome Ponta Porã
Antes de chamar Ponta Porã, a cidade e toda a região de Pedro Juan Cabalhero era chamada de Punta Porá. A Serra e alguns capões de mata que aqui existiam, davam aspecto de beleza ao lugar, que passou a ser denominado de Ponta Porã, que quer dizer Ponta Bonita e mais tarde com a chegada dos colonizadores passou a ser denominada de Ponta Porá. Assim a origem do nome Ponta Porá, está ligada às três culturas: guarani, espanhola e portuguesa. Na região de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero, adotou-se a terminologia da língua "Portunhol", pois os moradores dessa região se comunicam em Português e Espanhol; há ainda o termo "Guaraportunhol", para aqueles que se comunicam em Guarany, Português e Espanhol.

Hino de Ponta Porã - Letra de Prof. Issac Borges Capilé

Fé, esperança e cultura
É que ostenta esta rica região,
Desta terra, a base e a estrutura,
Que um Brasil de amanhã servirão.

Fé, esperança e cultura
É que ostenta esta rica região,
Desta terra, a base e a estrutura,
Que um Brasil de amanhã servirão.

Lutaremos com brio e afã
Por um Brasil fecundo e audaz
Cantaremos à Ponta Porã,
Princesinha real dos ervais!

Sentinela da pátria a esperança,
Em nossa história ao todo se vê,
Nossas vozes ressoam pujança,
E a glória do onze R.C!

Fé, esperança e cultura
É que ostenta esta rica região,
Desta terra, a base e a estrutura,
Que um Brasil de amanhã servirão.

Fonte: Prefeitura Municipal de Ponta Porã e Wikipédia


Vista aérea da cidade


Mapa do Brasil em 1945 onde se verifica o Território de Ponta Porã


PERSPECTIVAS PARA O MEIO AMBIENTE URBANO

GEO PONTA PORÃ

Publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-Habitat), Instituto Brasileiro de Administração (IBAM), Instituto de Estudos da Religião (ISER), Ministério do Meio Ambiente e Ministério das Cidades.
Direitos de propriedade intelectual© 2009: PNUMA, ONU-Habitat, IBAM, ISER, Ministério do Meio Ambiente e Ministério das Cidades.

Está autorizada a reprodução total e/ou parcial e de qualquer outra forma para fi ns educativos ou sem fi ns
lucrativos, sem permissão especial dos titulares dos direitos, desde que citada a fonte. O PNUMA, ONU-Habitat,IBAM, ISER, Ministério do Meio Ambiente e Ministério das Cidades agradecem o envio de qualquer texto cuja a fonte tenha sido esta presente publicação. Não está autorizado o uso desse material para venda ou outros fi ns comerciais.

Isenção de responsabilidade


O presente informe é resultado de amplo processo de consulta e participação de indivíduos e instituições. Deste modo o conteúdo desta publicação não refl ete, necessáriamente, as opiniões ou políticas dos organismosinternacionais, instituições federais, municipais e instituições parceiras do projeto.

FRACASSO

Ao que parece a crise política em Honduras vai longe ainda. O Congresso Hondureño não cumpriu o acordo de votar a restituição de Zelaya ao Poder. O governo golpista de Micheletti disse que fez tudo que podia e o presidente deposto já indicava na madrugada de sexta-feira que o acordo fracassou. Enquanto isso, nossa Embaixada segue ocupada por Zelaya e seus simpatizantes.

Enquanto isso, o presidente Lulla estava de viagem, para receber um prêmio por sua liderança “expressiva” na América latina. Credo!


PT-PMDB
Enquanto uns dizem o que querem mas desprezam, outros desprezam, mas querem, a possível aliança entre o PT e o PMDB vai dando pitadas de humor na política sulmatogrossense. André fala que o partido da estrela é quem tem de procurá-lo e solta pesquisas uma atrás da outra, onde sempre tem ampla vantagem sobre o adversário. Já o Zeca, que andava meio sem munição recarregou o vocabulário, protocolizou ações no MPF, MP e no Fórum da Capital e está afiadíssimo no seu twitter, atacando sem dó a “dupla dinâmica” André-Nelsinho. O prefeito de Campo Grande, aliás, é chamado constantemente de “coadjuvante” pelo ex bolsista pijama.

DOR DE CABEÇA
A ministra do STJ, Nancy Andrigui pediu licença à Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul para processar o ditador, digo, governador André Puccinelli pelos crimes de lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito quando foi prefeito de Campo Grande. O presidente da Assembleia já se adiantou dizendo que o italiano já “provou” que não deve nada e tal, aquela conversa mole que todos nós já conhecemos. Caso não seja autorizado a processar o governador, o processo fica suspenso até que ele termine de cumprir o seu mandato. Ahã!

OAB
Quem esteve por aqui nesta semana foi o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso do Sul, Fábio Trad. Ele percorreu escritórios de advocacia da cidade apresentando as propostas da chapa “OAB Para Todos” e apontando as conquistas da sua gestão. Fábio ainda recebeu os advogados para um almoço no restaurante do Pousada do Bosque, onde se fizeram presentes representantes dos maiores escritórios de advocacia, inclusive membros da chapa adversária.

GIROTO
O Secretário de Obras do Estado do Mato Grosso do Sul Edson Giroto (PR) deve dar o ar da graça aqui na Princesinha dos Ervais, neste fim de semana. Ele é tido como um forte candidato a deputado federal do governador André Puccinelli e tem sido elogiado por ter transformado o Estado em um canteiro de obras. Giroto estará no Assentamento Itamarati acompanhando o rodeio que será realizado no domingo. Quem fará as honras da casa será o ex vereador Chico Gimenez (PSB). A conferir.

ESPAÇO
Como não podemos agradar a todos, registro aqui que a Coluna Falando Sério é um espaço democrático e sempre procurou ser imparcial. Na semana passada, o acontecimento político foi a presença em massa da caravana do partido da estrela e como convidada participei do encontro. O espaço está aberto a todos os Partidos basta convidar que eu vou.

AGRADECIMENTOS
Agradeço aos meus leitores que são a razão do sucesso desta coluna, em especial `minha leitura assídua Nilva Stort Ferreira e seu esposo Dr. Alfredo Candido Ferreira; às advogadas Rosane Marino e Nina Negri Scheneider, além da aniversariante maior do último dia 04, professora Anacleta Godoy. Obrigada. Semana que vem tem mais.
Ocorreu um erro neste gadget
Pesquisa personalizada
Ocorreu um erro neste gadget