10 janeiro, 2006

Entrevista com o Ten. Cel. Rogério Gomes da Costa



“Meu desejo é que Ponta Porã se torne uma cidade cada vez melhor"





Nosso entrevistado é o Comandante do 11º Regimento de Cavalaria Mecanizado Marechal Dutra, o Ten. Cel. ROGÉRIO GOMES DA COSTA carioca, 44 anos de idade, dos quais 27 anos dedicados ao Exercito Brasileiro.Com curriculum vasto em cursos militares tais como: Formação de Oficiais da Arma de Cavalaria – Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN); Aperfeiçoamento de Oficiais da Arma de Cavalaria – Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO); Cursos de Altos Estudos Militares – Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME); e Curso de Operações na Selva – Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), além de mestrado em Ciências Militares.O Ten Cel Rogério já exerceu funções no Brasil e no exterior, foi Ajudante de Ordens do Vice-Presidente da República Marco Maciel, no período de 1995 a 2001; Observador Militar na Missão de Observadores Militares Equador-Peru (MOMEP); Instrutor do Curso de Cavalaria da Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende – RJ; Oficial de Inteligência do 1º Regimento de Cavalaria de Guardas, Regimento Dragões da Independência, Brasília – DF, Comandante de Esquadrão e Oficial de Operações no 8º Regimento de Cavalaria Mecanizado na cidade gaúcha de Uruguaiana – RS; Comandante de Esquadrão de Carros de Combate no 20º Regimento de Cavalaria Blindado em Campo Grande – MS; Oficial de Pessoal, de Inteligência, de Operações e Subalterno no 3º Esquadrão de Cavalaria Mecanizado, Brasília – DF; e Oficial Subalterno do 11º Regimento de Cavalaria, Ponta Porã – MS.O Comandante do “ONZE” nos recebeu num clima amistoso próprio da sua personalidade, haja vista que com poucos minutos de conversa se percebe o porquê de tantas condecorações, dentre elas a Medalha do Pacificador e a Medalha Soldado da Paz.Ainda estava em Brasília servindo como Ajudante de Ordens do então Vice-Presidente Marco Maciel, Em 2001, quando de Major foi promovido por merecimento a Tenente Coronel.Coronel Rogério guarda estreito relacionamento com Marco Maciel que atualmente é Senador da República pelo estado de Pernambuco. “Tive a honra de subir a rampa do Palácio do Planalto por duas vezes, a primeira em 1995 na posse do Presidente Fernando Henrique Cardoso e na sua reeleição em 1999”Nesse período o Comandante participou da Comitiva Presidencial acompanhando o Vice-Presidente para vários países, tais como o Japão, Estados Unidos e África do Sul. “Sempre acompanhei o Vice-Presidente em todas as viagens, fato que me trouxe enriquecimento cultural e profissional além de grande experiência política, sendo que até hoje mantemos contato,trocamos correspondência, Marco Maciel é uma pessoa pela qual nutro imenso respeito e admiração. Ele é um dos grandes ícones da política brasileiraO Comandante foi condecorado com além das já citadas, também as medalhas de Ordem Mérito Forças Armadas, grau de Cavaleiro; Ordem do Rio Branco, grau de Cavaleiro; Medalha Militar de Prata; Medalha da vitória, Medalha do Jubileu de Ouro da Vitória; Medalha Sangue dos Heróis; Medalha Marechal Machado Lopes e Estrela Militar das Forças Armadas do Equador.Ainda quando Major, o Cel. Rogério participou de rica experiência na selva amazônica quando atuou como observador militar da MOMEP, também esteve no Equador de janeiro a setembro de 1997.A MOMEP (Missão de Observadores Militares Equador Peru) criada em 1995 que tinha como objetivo solucionar o conflito fronteiriço entre Peru e Equador.Tendo iniciado suas atividades em 10 de março de 1995, com o conflito militar de 1995, Equador e Peru aceitaram a mediação oferecida pelos países garantes do Protocolo do Rio de Janeiro de 1942. Assim foi assinada a “Declaração de Paz do Itamaraty”, em Brasília. A forma de solucionar o conflito entre Peru e Equador seria consolidando o acordo de cessar fogo e evitar novas confrontações. Para tal ficou acordado o envio de uma Missão de Observadores Militares formada por pessoal da Argentina, do Brasil, do Chile e dos Estados Unidos. Todos sob a Coordenação Geral dos militares brasileiros. A escolha do Observador se deu através de critérios rígidos, levando-se em consideração, principalmente, o perfil do militar.Foi escolhido para a participar como Ajudante de Ordens da Presidência da República através do Ministro do Exército, no período em que esteve no Equador (janeiro a setembro/97) o cargo permaneceu desocupado até o seu retorno a pedido da Vice-Presidência.Ao contrário do que muitos pensam, o Ajudante de Ordens não é uma espécie de segurança, pelo contrário, é um assessor, alguém responsável pela agenda da autoridade.Perguntamos se ele esta se adaptando em Ponta Porã, respondeu que: “Claro que sim, já servi como tenente em Ponta Porã.Sim, ele já passou por aqui antes foi quando conheceu a bela pontaporanense Heloisa Helena, com quem veio a casar-se em 1988. Da união nasceu o filho Heleno Rodrigues Maffucci Gomes da Costa que cursará o 2º ano do Ensino Médio no próximo ano.Perguntamos também sobre D. Heloisa Helena, e como a conheceu, o Ten. Cel. Rogério suspirou e não hesitou em responder que: “servia como tenente aqui em Ponta Porã, quando conheci Heloisa, namoramos durante três anos. Heloisa é fantástica, compreensiva e sempre me dá apoio em tudo que faço, particularmente no período em que estive na Vice-Presidência da República e também na MOMEP. Heloisa cuidou do nosso filho Heleno e dos estudos” Dona Heloisa Helena é artista plástica e responsável pela decoração da casa, os objetos de arte elaborados por ela são maravilhosos.Comentamos com o entrevistado sobre a possibilidade de se efetuar permuta com o Município da área reservada ao exercito, vez que essa área é extensa e compreende um local que poderia estar servindo para melhorar a infra-estrutura do município. “De fato, o Executivo Municipal apresentou uma proposta que está sendo analizada pelo Comando da 9ª Região Militar em Campo Grande, Na verdade são duas áreas pertencentes ao exercito que a Prefeitura demonstrou interesse”Pedimos que falasse algo sobre Ponta Porã, se gosta daqui “Claro que sim, afinal minha esposa e meu único filho são pontaporanenses. Este é um Município que tem plenas condições de ter um excelente desenvolvimento sócio-econômico”
E citou Maxwell Maltz: “A vida está cheia de desafios que, se aproveitados de forma criativa, transformam-se em oportunidades”.
“Meu desejo é que Ponta Porã se torne uma cidade cada vez melhor"

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget
Pesquisa personalizada
Ocorreu um erro neste gadget